Camaquã
19°C
Camaquã
17°C
Agro

Governo federal trata de apoio à cadeia do arroz no RS

Na reunião, estiveram em pauta a projeção da produção e a comercialização de arroz
Foto: Julia Chagas | Seapi
Foto: Julia Chagas | Seapi

Uma comitiva do governo federal se reuniu nesta quarta-feira (10) com representantes do governo do Rio Grande do Sul e do setor do arroz, em Porto Alegre, para tratar sobre a cadeia orizícola no estado. Entre os participantes, o secretário de Política Agrícola do Ministério da Agricultura, Neri Geller; o presidente da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), Edegar Pretto; o secretário estadual da Agricultura, Giovani Feltes; o presidente da Federação das Associações dos Arrozeiros do Rio Grande do Sul (Federarroz), Alexandre Azevedo Velho; e o presidente do Instituto Rio Grandense do Arroz (Irga), Rodrigo Machado.

Receba todas as notícias da Acústica no seu WhatsApp tocando aqui!

Na reunião, estiveram em pauta a projeção da produção e a comercialização de arroz. De acordo com o 4º levantamento de Safra de Grãos 2023/24 da Conab, divulgado nesta quarta, o RS deve produzir cerca de 7,66 milhões de toneladas, um aumento de 10,5% em relação ao ciclo passado (6,9 milhões de toneladas). A área total plantada no estado é de 923 mil hectares, 7% a mais do que na safra anterior (862 mil hectares).

Pretto destacou que o Brasil teve, na safra 2022/23, a menor área plantada de arroz e feijão em 47 anos, o que preocupa o governo federal por se tratar da diminuição da oferta de comida. Conforme o presidente, o governo está atuando para garantir o abastecimento interno e fortalecer o setor no país e, em especial, no Rio Grande do Sul, que é responsável por 70% da produção nacional de arroz. “Nós queremos dialogar, queremos que todos os produtores sintam a mão amiga do governo federal, para que a gente possa garantir uma produção maior e um produto com preço mais acessível ao consumidor”, ressaltou Pretto.

Conforme informações da Federarroz, o alto custo de produção do arroz aumentou, em média, 60% nos últimos dois anos, o que obriga os produtores a terem altas produtividades. A entidade observa que, em anos de El Niño, a produtividade diminui em cerca de 5 a 10%. Isso reforça a importância de manter a área plantada na safra 2022/23, a fim de modular os investimentos em função dos riscos climáticos e a manter o preço do cereal. No mercado, a saca de 60 kg de arroz está, em média, R$ 126.

“Há uma reação no preço do arroz, que é bom para o produtor, mas impacta o consumidor que acaba pagando mais caro pelo alimento na cesta básica. Há uma necessidade de ampliar a oferta do produto, sem recorrer à importação, e este tema é de interesse do governo brasileiro para não pesar no bolso do consumidor”, reforçou Pretto.

Fonte: Assessoria de Comunicação Edegar Pretto

Tags: Agricultura, Agro, arroz, Rio Grande do Sul, RS