Search

Professores e alunos protestam em Encruzilhada do Sul

img_4713_foto_1.jpg

Cerca de 50 pessoas entre professores, alunos e funcionários das escolas estaduais protestaram na manhã desta sexta-feira (4), na praça Dr Ozy Teixeira, em Encruzilhada do Sul.

O grupo se reuniu por volta de 9hs, na tentativa de convencer a população a lutar pelos seus direitos e unir forças contra o parcelamento de salários da categoria. Eles pediam ainda, a retirada do Projeto de Lei (PL) nº 206/15, que supostamente propõe estabelecer normas de responsabilidade da gestão fiscal com a criação de mecanismos prudenciais de controle das contas públicas do Estado do Rio Grande do Sul.

O governo do Estado “parcelou” o pagamento do funcionalismo público em Julho e tornou a parcelar novamente no último dia 31. Também foram atingidos com a medida a Brigada Militar e a Polícia Civil. Na manhã da última segunda-feira cerca de 78% do funcionalismo gaúcho recebeu somente R$ 600,00 sem previsão clara para o depósito do restante, que será realizado em mais duas parcelas.

De acordo com a professora Sabrina Tatsch, o que o governo chama de parcelamento a categoria chama de atraso de salários.

“A nossa Constituição é bem clara e o governo está infringindo uma norma constitucional. O servidor público tem que receber até o último dia do mês. Então, nós estamos com os nossos salários atrasados.” Completou.

A greve nas escolas estaduais deve se estender até o dia (11), quando deverá ser realizada nova avaliação e os professores decidirão se voltam às atividades ou seguem com a paralisação.

Município sofre com situação:

A paralisação dos professores e a situação do parcelamento dos salários atinge diretamente o município. 90% do funcionalismo que recebeu apenas R$ 600,00, conforme a medida, deixou de pagar em dia suas contas, o que segundo alguns comerciantes é ruim para o comércio. As contas precisaram ser renegociadas e os juros recalculados, fora a queda nas vendas que caíram cerca de 45% em alguns estabelecimentos.

Para a maioria dos professores entrevistados, a prioridade é manter em dia estabelecimentos de gêneros alimentícios. Os demais serão pagos no momento em que o restante do pagamento for depositado.