Search
Camaquã
21°C
Camaquã
21°C
Economia

Varejo gaúcho tem aumento de vendas de 5% em 12 meses

Indicadores foram pauta dos Diálogos Setoriais da Receita Estadual nesta semana
Foto: Marcello Casal Jr. - Agência Brasil
Foto: Marcello Casal Jr. - Agência Brasil

Os indicadores econômico-tributários do varejo gaúcho e seus segmentos foram analisados em mais um encontro entre a Receita Estadual e setores da economia gaúcha no projeto Diálogos Setoriais, realizado na manhã desta terça-feira, 9. Foram apresentados os consolidados de vendas, compras e o valor adicionado dos varejistas gaúchos.

Receba todas as notícias da Acústica no seu WhatsApp tocando aqui!

Os dados publicados na décima edição do boletim econômico-tributário de dezembro, disponível para download gratuito no site Receita.Doc. As transmissões das lives ocorrem pelo canal da Secretaria da Fazenda (Sefaz) no YouTube. O boletim também destaca a expansão de 14,3% da indústria de veículos em outubro.

-

Até outubro, as vendas acumuladas do varejo tiveram aumento de 5% na comparação com o acumulado dos últimos 12 meses, passando de R$ 204,5 bilhões para R$ 214,7 bilhões. A elevação foi registrada em praticamente todos os meses do período, com exceção de outubro, cujo patamar ficou em R$ 18,2 bilhões, cerca de R$ 2 bilhões a menos em relação a setembro.

“Na visão geral, há uma curva de estabilidade para o setor na comparação com os 12 meses anteriores, período de maior oscilação entre os meses, quando houve quedas fortes em alguns momentos”, avaliou o auditor-fiscal da Receita Estadual, Michel Câmara.

Segundo ele, nas próximas análises, também devem ser evidenciados impactos externos advindos das questões macroeconômicas, como a taxa de juros, além dos avanços na reforma tributária. Outro ponto destacado foi um refinamento metodológico, que excluiu dessa análise itens que não são necessariamente do varejo, como, por exemplo, a energia elétrica de bares e restaurantes.

Quanto aos setores com melhor desempenho de vendas no período, estão o metalmecânico (que pode ter sido impactado por medidas de incentivo às vendas de veículos), super e hipermercado e químico (medicamentos e cosméticos). Todos tiveram crescimento acima de 10%. Já as maiores retrações foram nos segmentos de móveis e combustíveis, além de outros varejos.

Durante a live, a economista-chefe da Fecomércio, Patrícia Palermo, destacou que o recorte está compatível com pesquisas das atividades varejistas em termos de setor. “Os dados apresentados têm características de natureza fiscal sobre empresas do Regime Geral, e vínhamos observando um comércio com resultado positivo, mas em menor grau do que os dados da Fazenda. Então, embora com diferenças nas formas de captação das informações, as análises se aproximam”, explicou.

Segundo a economista, análises da Fecomércio mostram um 2024 melhor para o Estado do que para o Brasil por conta do desempenho agropecuário e de seu transbordamento na renda. Em 2023, o setor registrou frustrações no RS, ficando aquém do potencial.

Ainda nesta terça, foi realizada live com o setor de máquinas e equipamentos, cujas vendas registraram estabilidade no período, segundo avaliações da Sefaz.

Boletim também destaca expansão de 14,3% da indústria de veículos em outubro

Nas análises da indústria feitas no boletim, o setor de veículos registrou o maior crescimento financeiro de vendas do setor nos últimos 12 meses. De novembro de 2022 a outubro deste ano, o segmento acelerou 14,3% em comparação com os 12 meses anteriores, o que corresponde à movimentação de R$ 31 bilhões em comercializações no período. O levantamento está publicado no último da Secretaria da Fazenda (Sefaz), divulgado este mês.

O desempenho do setor de veículos superou, com folga, a elevação do segmento metalomecânico, sua área industrial afim, cuja expansão das vendas registrou crescimento de 1,6% no mesmo intervalo temporal. O mercado interestadual continua liderando o destino das vendas. O balanço revela que 80% dos bens produzidos, incluindo automóveis e peças e acessórios de veículos, rumam para outros estados brasileiros. Compradores de fora do Rio Grande do Sul respondem por R$ 24 bi das vendas nos últimos 12 meses. No mesmo período, o mercado gaúcho absorveu 12% das transações, ocupando uma fatia de R$ 3,6 bilhões do volume comercializado.

O valor adicionado do setor, indicador que reflete o potencial da margem de lucro ao calcular a diferença financeira das compras e vendas, totalizou R$ 8,9 bilhões nos últimos 12 meses – uma elevação superior a 40%. O resultado positivo é decorrente do aumento expressivo nas vendas e pode indicar uma redução do peso dos insumos na produção, puxada pela queda da inflação.

A indústria gaúcha de máquinas e equipamentos também apresentou aumento nas vendas, expandindo em 3,1% as transações acumuladas nos últimos 12 meses. Em valores absolutos, o segmento acumulou R$ 64 bilhões comercializados no período. Seguindo a tendência do setor de veículos, o crescimento mais expressivo ocorreu no mercado interestadual, cujas vendas saltaram 5,26%. Também em ritmo de expansão, as exportações cresceram 3,78%.

O potencial de margem de lucro também revela um cenário positivo para o setor. Nos últimos 12 meses, o valor adicionado chegou a R$ 30 bilhões, uma elevação de 32,8% frente ao período.

Informações estratégicas para o desenvolvimento econômico

Publicado mensalmente na Revista RS360, o boletim econômico-tributário é uma iniciativa do programa Desenvolve RS que fornece informações estratégicas sobre o desempenho dos segmentos industrial, varejista e atacadista do Rio Grande do Sul. Construído com base nos dados de circulação de mercadorias tributadas pelo ICMS, o material revela indicadores inéditos de vendas, compras, valor adicionado, taxa de investimento e outros insumos que contribuem para a análise do cenário produtivo e auxiliam na tomada de decisão do mercado.

Em novembro, a Receita Estadual também lançou o Radar do Mercado Gaúcho, um painel virtual interativo inédito no país que centraliza uma série de dados econômicos segmentados por produto. A plataforma disponibiliza informações detalhadas sobre o destino das vendas dos produtos fabricados no Estado, tanto no mercado interno (Rio Grande do Sul) quanto em outras unidades federativas, incluindo o volume exportado de cada produto. Uma novidade do painel é o chamado marketshare, que demonstra a fatia que cada produto ocupa dentro do mercado de consumo gaúcho.

 

Datas e horários das próximas lives:

Veículos
Sexta-feira (12/1), às 9h.

Indústria
Segunda-feira (22/1), às 9h.

Aves
Terça-feira (23/1), às 9h.

Bebidas
Quarta-feira (24/1), às 9h.

Insumos agropecuários
Quinta-feira (25/1), às 9h

Suínos
Sexta-feira (26/1), às 9h.

Texto: Angela Bortolotto e Rodrigo Azevedo /Ascom Sefaz

Tags: Economia, Rio Grande do Sul